Diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Coelho, concedeu entrevista ao Jornal O Globo

Brasil sobe no ranking e se torna 9º maior produtor de petróleo no mundo

Falta de investimentos, porém, deve aumentar dependência da importação de derivados

Por Ramona Ordoñez, Jornal O Globo

RIO- O Brasil subiu mais um degrau no ranking dos dez países maiores produtores de petróleo do mundo. O país está em 9º lugar com uma produção média de 3,2 milhões de barris de petróleo (óleo e gás) por dia, representando 3% da produção total mundial. O ranking é da a Agência Internacional de Energia (EIA, na sigla em inglês), com base nas dados de 2017. O Brasil passou o Kuwait, país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que teve produção de 3,1 milhão de barris.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.

Mas, de acordo com José Mauro, a falta de investimentos na expansão do refino no país poderá fazer com que o Brasil em 2026 esteja entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Isto porque, sem ampliação da capacidade de refino no país para atender ao aumento do consumo de combustíveis, ao mesmo tempo que sobrará petróleo cru para exportar, o país terá que importar maior volume de derivados.

- Devido aos baixos investimentos em refino no período, poderemos em 2026 estar exportando algo em torno de 3 milhões de barris/dia. Estaremos entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Possivelmente atrás somente de Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Canadá - destacou.

Sem novos investimentos para o aumento da capacidade de refino no país, da qual 98% são controlados pela Petrobras, em 2026 o Brasil será um forte importador de derivados, o que não é bom termos estratégicos. E os derivados no mercado internacional têm um preço superior ao da cotação do petróleo cru. As projeções da EPE indicam que, em 2026, com o aumento da demanda de combustíveis, o Brasil deverá ter de importar em torno de 800 mil barris diários de combustíveis.

- Nossas projeções mostram que, se não investirmos em refino, poderemos em 2026 estar importando cerca de 800 mil barris por dia de derivados, em especial óleo diesel, e também outros derivados como o GLP, nafta, gasolina e QAV (de aviação) - disse José Mauro.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.


Clique aqui para acessar a matéria na íntegra e veja abaixo a versão impressa publicada hoje no Jornal O Globo.

WhatsApp Image 2018-06-19 at 09.10.40.jpeg 


Notícias Relacionadas

Aprovação da Política de Integridade da EPE

12/12/2018 - O Conselho de Administração da EPE aprovou no dia 30 de outubro de 2018 a Política de Integridade da Empresa, por meio da DCA nº 02/168ª. A Política de Integridade firma a compreensão, conceito e diretrizes do exercício moral e ético de todos na empresa. A Política de Integridade, a partir do compromisso assumido de todos, reforça o modus operandis de uma empresa forte, solidária e dinâmica. Trata-se do propósito de sermos a melhor referência no ato de subsídio ao planejamento energético do país, o que acaba por reforçar o nosso papel estratégico de empresa de Estado.

EPE publica estudos de levantamento de dados de eficiência energética na indústria brasileira

12/12/2018 - No sentido de fortalecer a disponibilidade dados primários para o planejamento de ações de promoção de eficiência energética, a EPE publica os resultados de estudo de levantamento de dados sobre diversos setores industriais. Trata-se de estudo denominado “Análise da Eficiência Energética em Segmentos Industriais Selecionados”, que se insere no âmbito do Projeto META (Projeto de Assistência Técnica dos Setores de Energia e Mineral), com financiamento do Banco Mundial. A execução foi descentralizada do MME para EPE.

EPE e Rosatom promovem reunião sobre reatores nucleares modulares

11/12/2018 - Foi realizada na EPE neste dia 10 de dezembro, das 10:00 às 12:00, reunião técnica “Perspectivas Tecnológicas de SMR (Small Modular Reactor)”. O tema foi a tecnologia dos reatores nucleares modulares, conhecidos também como SMR. A reunião se insere no âmbito dos estudos de planejamento energético de médio e longo prazo, tais como o Plano Nacional de Energia 2050. O presidente da EPE, Reive Barros, abriu e participou da reunião. A reunião teve apoio e participação da empresa russa Rosatom, cujo Presidente para a América Latina, Ivan Dybov, também esteve presente.

Personalidades do setor energético brasileiro foram homenageadas no Oscar da Energia

10/12/2018 - Terceira edição do 100 Mais Influentes da Energia aconteceu na noite de quinta-feira (06/12) na capital paulista, com presença de autoridades do setor.Um evento setorial para fechar com chave de ouro o ano de 2018. Na noite da última quinta-feira (6 de dezembro), no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo (SP), mais de 350 pessoas prestigiaram o “100 Mais Influentes da Energia”, que homenageou cem personalidades de vários segmentos do setor energético brasileiro.

CEM Days - Integração de Renováveis no Setor Elétrico: Caminhos e Desafios para o Planejamento Energético"

06/12/2018 - Nos dias 21 a 23 de novembro aconteceu no Rio de Janeiro o “CEM Days - Integração de Renováveis no Setor Elétrico: Caminhos e Desafios para o Planejamento Energético”. O evento, organizado pela EPE, aproveitou a sinergia internacional proporcionada pela Clean Energy Ministerial (CEM), fórum global em nível de governo que visa promover políticas e programas para a adoção de tecnologias de energias limpas, compartilhamento de lições aprendidas e melhores práticas e encorajamento para a transição para uma economia global de baixo carbono.