Diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Coelho, concedeu entrevista ao Jornal O Globo

Brasil sobe no ranking e se torna 9º maior produtor de petróleo no mundo

Falta de investimentos, porém, deve aumentar dependência da importação de derivados

Por Ramona Ordoñez, Jornal O Globo

RIO- O Brasil subiu mais um degrau no ranking dos dez países maiores produtores de petróleo do mundo. O país está em 9º lugar com uma produção média de 3,2 milhões de barris de petróleo (óleo e gás) por dia, representando 3% da produção total mundial. O ranking é da a Agência Internacional de Energia (EIA, na sigla em inglês), com base nas dados de 2017. O Brasil passou o Kuwait, país membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que teve produção de 3,1 milhão de barris.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.

Mas, de acordo com José Mauro, a falta de investimentos na expansão do refino no país poderá fazer com que o Brasil em 2026 esteja entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Isto porque, sem ampliação da capacidade de refino no país para atender ao aumento do consumo de combustíveis, ao mesmo tempo que sobrará petróleo cru para exportar, o país terá que importar maior volume de derivados.

- Devido aos baixos investimentos em refino no período, poderemos em 2026 estar exportando algo em torno de 3 milhões de barris/dia. Estaremos entre os cinco maiores exportadores de petróleo do mundo. Possivelmente atrás somente de Arábia Saudita, Rússia, Iraque e Canadá - destacou.

Sem novos investimentos para o aumento da capacidade de refino no país, da qual 98% são controlados pela Petrobras, em 2026 o Brasil será um forte importador de derivados, o que não é bom termos estratégicos. E os derivados no mercado internacional têm um preço superior ao da cotação do petróleo cru. As projeções da EPE indicam que, em 2026, com o aumento da demanda de combustíveis, o Brasil deverá ter de importar em torno de 800 mil barris diários de combustíveis.

- Nossas projeções mostram que, se não investirmos em refino, poderemos em 2026 estar importando cerca de 800 mil barris por dia de derivados, em especial óleo diesel, e também outros derivados como o GLP, nafta, gasolina e QAV (de aviação) - disse José Mauro.

O diretor de Estudos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE), José Mauro Coelho, destacou que tudo indica que a produção de petróleo vai continuar crescendo significativamente no país nos próximos anos. Segundo o executivo, a expectativa é que em 2026 a produção brasileira atinja 5,2 milhões de barris diários de petróleo, quase o dobro do que foi produzido em 2016, um volume de 2,7 milhões de barris por dia.


Clique aqui para acessar a matéria na íntegra e veja abaixo a versão impressa publicada hoje no Jornal O Globo.

WhatsApp Image 2018-06-19 at 09.10.40.jpeg 


Notícias Relacionadas

EPE disponibiliza Informe Técnico sobre Custo de Combustível e Preços de Referência dos Combustíveis para as Soluções de Suprimento no Produto “Potência"

14/02/2019 - A Empresa de Pesquisa Energética disponibiliza o Informe Técnico que visa a fornecer os elementos para a formulação do Custo do Combustível e dos Preços de Referência dos combustíveis para as usinas termelétricas participantes do leilão para suprimento a Boa Vista e Localidades Conectadas, conforme Portarias do Ministério de Minas e Energia nº 512, de 21 de dezembro de 2019 e nº 58/GM, de 23 de janeiro de 2019.

EPE participa pela primeira vez do evento Campus Party

14/02/2019 - Pela primeira vez, a Empresa de Pesquisa Energética foi convidada a participar do evento Campus Party, um dos principais eventos de tecnologia do cenário. A EPE, representada pela Assessora de Comunicação Social, Maura Xerfan e pela Analista de Pesquisa Energética, Natalia Moraes, participará do evento com o projeto ABCDEnergia; projeto esse voltado para o público jovem, onde são abordados assuntos do cenário energético de forma lúdica e educativa.

País precisa diversificar fontes de energia sem gerar ineficiências

13/02/2019 - País precisa diversificar fontes de energia sem gerar ineficiências Responsável pela coordenação dos estudos que subsidiarão o pla- nejamento energético do governo de Jair Bolsonaro, o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral, vê com bons olhos o avanço da energia eólica e solar e a diversificação dos recur- sos energéticos brasileiros. Ele en- tende, no entanto, que há necessi- dade de aperfeiçoamento do mo- delo de avaliação da segurança energética do país em relação ao novo cenário e que a solução deve ter razoabilidade econômica, para não onerar consumidores nem prejudicar investidores

EPE participa da solenidade de assinatura do Protocolo de Intenções entre Porto Central e Porto de Pecém

06/02/2019 - O diretor de Estudos do Petróleo Gás e Biocombustíveis, José Mauro Coelho, acompanhado de seu assessor, Alexandre Cobbett, representando a EPE e o secretário de Petróleo Gás e Biocombustíveis do MME, Márcio Félix, participou e discursou na solenidade de Assinatura do Protocolo de Intenções entre Porto Central, situado no Espírito Santo, na sede da FINDES, Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo

Thiago Vasconcellos Barral Ferreira é o novo Presidente da EPE

04/02/2019 - Aos 35 anos, Thiago Vasconcellos Barral Ferreira é o novo presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A nomeação ocorreu na sexta-feira (01/02), por despacho da secretaria-geral e hoje (04/02) foi publicado no Diário Oficial da União (DOU).