EPE, ANP e FGV Discutem o RenovaBio

A EPE, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV Energia) promoveram nesta quinta-feira, primeiro de fevereiro, O evento "RenovaBio – Próximos passos". O objetivo do encontro foi apresentar as principais iniciativas a serem adotadas pelo Ministério de Minas e Energia (MME), pela ANP e pela EPE para viabilizar a implementação do RenovaBio, instituído pela Lei nº 13.576, de 26 de dezembro de 2017. O encontro foi realizado no Centro Cultural da FGV, no Rio de Janeiro, contou com mais de 300 participantes e a imprensa, o auditório teve sua lotação esgotada. 

A Abertura do evento contou com a presença o Secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Márcio Félix, que declarou; "Que a minuta do decreto, que é o coração da governança do RenovaBio, ainda vai ser debatida no governo, com a sociedade, até que ela possa chegar em junho. 

Lançado em dezembro de 2016, o RENOVABIO foi submetido à consulta pública no primeiro trimestre de 2017 e em junho suas diretrizes foram aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). O RenovaBio vai ao encontro do Acordo do Clima de Paris e atende alguns compromissos do Brasil como o de cortar as emissões de gases causadores do efeito estufa. 

Felipe Kury, diretor da ANP, falou na abertura do evento e ressaltou também a importância do programa para a economia: " o RenovaBio é uma grande oportunidade para o País em termos de geração de emprego, desenvolvimento econômico e ampliação da renda em diversas regiões. "Os biocombustíveis terão, cada vez mais, uma presença enorme em nossa matriz energética. A ANP está empenhada para que esse programa seja um sucesso". 

O evento teve como painelistas: O Diretor Superintendente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) Donizete Tokarski ; a Presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) Elizabeth Farina, O Diretor da ANP Aurélio Amaral; a Pesqusiadora da FGV Energia Tamar Roitman e O Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, Josè Mauro Coelho (foto). 

O Diretor da EPE, Josè Mauro Coelho, falou da participação da EPE e agradeceu publicamente à sua equipe integrada por mais de 25 profissionais de expertises distintas. Também durante sua apresentação (disponível para download no link abaixo) o diretor destacou os Modelos Matemáticos da EPE, que tem por objetivo subsidiar o Ministério de Minas e Energia em aspectos relacionados à Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio).

O RenovaBio

 

O RenovaBio é um programa do Governo Federal para expandir a produção de biocombustíveis no Brasil, baseada na previsibilidade, na sustentabilidade ambiental, econômica e social, e compatível com o crescimento do mercado. A iniciativa tem como objetivos:

• Contribuir para o atendimento aos compromissos do Brasil no âmbito do Acordo de Paris sob a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima;
• Contribuir com a adequada relação de eficiência energética e de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa na produção, na comercialização e no uso de biocombustíveis;
• Promover a adequada expansão da produção e do uso de biocombustíveis na matriz energética nacional, com ênfase na regularidade do abastecimento de combustíveis;
• Contribuir com previsibilidade para a participação competitiva dos diversos biocombustíveis no mercado nacional de combustíveis.

Apresentação RenovaBio – Próximos passos


IMG_3046 Edit.jpg IMG_3080.JPG
IMG_3086.JPG IMG_3205.JPG
WhatsApp Image 2018-02-01 at 20.39.38.jpeg


Notícias Relacionadas

ANP divulga resultado de TPC sobre substituição de GNL importado por gás doméstico

17/01/2019 - ANP está divulgando a consolidação das respostas à Tomada Pública de Contribuições (TPC) 05/2018, realizada em conjunto com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A TPC teve o o objetivo de coletar contribuições para avaliar mecanismos de substituição do gás natural liquefeito (GNL) importado por gás doméstico (de produção nacional) nos contratos de fornecimento de gás, quando projetos de produção estiverem concluídos, tendo em vista que podem contribuir para a redução dos custos de geração de energia elétrica, incluindo benefícios econômicos aos consumidores de energia. A TPC não teve como objetivo qualquer alteração em contratos vigentes. A discussão tratou somente de cláusulas que poderão ser usadas em contratos futuros.

EPE realiza Lançamento de Notas Técnicas sobre Gás Natural

07/01/2019 - Ocorreu, no dia 18 de dezembro de 2018, no auditório da EPE, o evento “Lançamento de Notas Técnicas sobre Gás Natural”. Neste evento, organizado pela Diretoria de Estudos do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis da EPE, foram abordadas as perspectivas para a indústria de gás natural no Brasil nos próximos anos, tendo como pano de fundo três estudos publicados pela EPE no final de 2018.

EPE publica 5º Boletim de Conjuntura da Indústria do Petróleo

02/01/2019 - O quinto número do Boletim de Conjuntura da indústria do Petróleo apresenta o panorama da Venezuela. Detentor da maior reserva global de petróleo, este país enfrentou uma expressiva queda da produção devido às dificuldades enfrentadas pela indústria. A instabilidade político-econômica e restrições de acesso ao crédito em decorrência das sanções financeiras são alguns dos desafios que a Venezuela necessita solucionar para recuperar sua indústria petrolífera.

EPE recebeu Menção Honrosa por trabalhos apresentados na Rio Oil & Gas Expo Conference 2018

02/01/2019 - Ocorreu, entre os dias 24 e 27 de setembro de 2018, no Rio Centro, a Rio Oil & Gas, maior evento do segmento de petróleo e gás da América Latina. Nesta edição, o tema abordado foi: “Energia para transformar” e a EPE participou com a apresentação de 17 trabalhos nas áreas de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, sendo premiada com duas Menções Honrosas:

Investimentos e Custos Operacionais e de Manutenção no Setor de Biocombustíveis

26/12/2018 - O informe sobre Investimentos e Custos Operacionais e de Manutenção no Setor de Biocombustíveis, elaborado pela Área de Biocombustíveis da Diretoria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis da Empresa de Pesquisa Energética, visa apresentar a metodologia de cálculo, premissas e estimativas de investimentos (CAPEX) e custos operacionais e de manutenção (OPEX) relativas ao etanol de cana-de-açúcar (1G, 2G), etanol de milho, biodiesel e biogás (setor sucroenergético), para o período de 2018 – 2030.