EPE apresenta cenários econômicos para os próximos 15 anos

A EPE apresenta o Caderno de Economia, publicação que visa a descrever possíveis cenários de crescimento econômico para o período de 2018 a 2032, bem como as premissas necessárias para alcançá-las. Com isso, a EPE traz referências que devem balizar os próximos estudos de planejamento energético. 

Em virtude do alto grau de incerteza em relação à evolução da economia brasileira nos próximos anos, são apresentados três cenários – um de referência e dois alternativos – a fim de mapear oportunidades e desafios para o crescimento econômico nacional no médio prazo. Para fundamentar a construção de cenários, a publicação da EPE apresenta uma análise da conjuntura econômica e de como a dinâmica da economia mundial e brasileira pode produzir distintos resultados em termos de crescimento do PIB.

No cenário de referência, assume-se o crescimento gradual da produtividade total da economia, em resposta aos investimentos realizados e às reformas que visem a melhorar o ambiente de negócios. Neste cenário, a hipótese é de que as reformas venham a ser parcialmente implementadas, limitando um maior crescimento da economia. Nesse cenário, o PIB brasileiro cresce em média 2,9% a.a. entre 2018 e 2032. Agropecuária cresce 2,7% a.a. puxada pela boa competitividade das commodities agrícolas, enquanto o crescimento da indústria (3,0% a.a.) e dos serviços (2,9% a.a.) estará associado às melhorias no ambiente de negócios e aumento de competitividade.

Acesse aqui o Caderno de Economia


 


Notícias Relacionadas

EPE participa do 1º Congresso da Rede Brasileira de Bioquerosene e Hidrocarbonetos Renováveis para Aviação

17/06/2019 - A EPE, representada pelo Diretor de Estudos do Petróleo, Gás e Biocombustíveis, JOSÉ MAURO COELHO, participou no dia 06 de junho de 2019, do "1º Congresso da Rede Brasileira de Bioquerosene e Hidrocarbonetos Renováveis para Aviação" como palestrante do evento, com uma apresentação de título “PROJEÇÃO DE OFERTA E DEMANDA DE QAV E BIOQUEROSENE NO BRASIL”. O Secretário de Petróleo, Gás e Biocombustíveis do MME, Márcio Felix, também esteve presente no encontro, além de pesquisadores de instituições de ensino, profissionais de empresas do ramo de aviação e combustíveis, indústria de biocombustíveis, representantes de entidades e profissionais liberais.

EPE cadastra 1.829 empreendimentos para o Leilão A-6 de 2019 e bate recorde de oferta com mais de 100 GW

11/06/2019 - Foi concluído nesta terça-feira, 11/06/2019, às 12h00, o cadastramento dos projetos para participação no Leilão de Energia Nova “A-6” de 2019. Anunciado pelo Ministério de Minas e Energia por meio da Portaria nº 222, de 06 de maio de 2019, o Leilão está previsto para ser realizado em 17 de outubro, com participação das fontes eólica, solar fotovoltaica, termelétrica a biomassa, carvão mineral nacional e gás natural e hidrelétrica com capacidade instalada de 1 a 50 MW.

EPE promove Workshop de Planejamento do atendimento aos Sistemas Isolados - ciclo 2019

10/06/2019 - A EPE promoveu no dia 7 de junho o Workshop de Planejamento de Atendimento aos Sistemas Isolados dando início ao ciclo de 2019. Além da EPE, o evento contou com a participação do MME, ONS, CCEE e dos Agentes de Distribuição, que são os responsáveis pelo envio do planejamento do atendimento ao seu mercado consumidor.

EPE participa da 7ª edição do UK & Brazil: Partners in Energy

07/06/2019 - A 7ª edição do UK & Brazil: Partners in Energy, que aconteceu entre os dias 3 e 5 junho de 2019, no Rio de Janeiro. O evento é uma ação promovida pelo governo britânico no lançamento de nova fase de colaboração com o Brasil na área de energia.

Usinas Híbridas: EPE Publica a Nota Técnica “Usinas Híbridas no Contexto do Planejamento Energético”

07/06/2019 - Dando prosseguimento à discussão sobre usinas híbridas, iniciada pelas Notas Técnicas “Avaliação da geração de usinas híbridas eólico-fotovoltaicas - Proposta metodológica e estudos de Caso”, e “Usinas Híbridas - Uma análise qualitativa de temas regulatórios e comerciais relevantes ao planejamento”, e continuada no Workshop “Usinas Híbridas no SIN”, esta Nota Técnica traz ao debate questões levantadas recentemente, após a publicação dos documentos anteriores, sobre as chamadas usinas híbridas.