EPE, GIZ e ONS iniciam projeto sobre a inserção de fontes renováveis intermitentes na matriz

Estudo vai apontar os cenários de penetração dessas fontes e como o sistema precisa se preparar para suportar essa expansão.

A Empresa de Pesquisa Energética e a Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por intermédio – GIZ, com a participação do Operador Nacional do Sistema Elétrico, deram início ao projeto “Aspectos a considerar na inserção de fontes renováveis de energia na matriz energética brasileira”, parte da iniciativa “Sistemas Energéticos do Futuro: Integrando fontes de energia renovável intermitente na matriz energética brasileira”, no âmbito da cooperação Brasil-Alemanha. 

Para realizar o estudo, após processo de licitação internacional, foi contratada a empresa Lahmeyer International, que tem como parceiras a Engie Tractebel e a PSR. O prazo para a realização dos trabalhos é de 14 meses. 

O estudo vai mostrar como o sistema elétrico do país precisa se preparar – em termos de operação e expansão - para suportar o aumento da participação das energias renováveis com geração variável ao longo do dia, quais são os pontos críticos e os cenários de inserção dessas fontes. Também serão avaliados os recursos tecnológicos disponíveis para mitigar os impactos da penetração dessas fontes no Sistema Interligado Nacional no médio e longo prazos. 

O projeto é inovador porque levará em conta o planejamento da expansão e a operação do sistema de forma integrada, incluindo a utilização de resultados quantitativos, a partir de simulações realizadas por ferramentas computacionais. Serão objeto do estudo as fontes eólica, solar e a combinação dessas fontes com armazenamento de energia. 

Para sua gestão, o projeto foi dividido em cinco produtos, que incluem capacitação às instituições participantes, visando a transferência de conhecimento e tecnologia: 

Produto 1: Estudos Regulatórios 

Produto 2: Estudos Energéticos 

Produto 3: Estudos Elétricos 

Produto 4: Estudos Metodológicos 

Produto 5: Estudos Tecnológicos 

Na medida em que os resultados estejam prontos, as organizações irão apresenta-los e discuti-los com a sociedade. 


Notícias Relacionadas

Cenários de Oferta de Etanol e Demanda do Ciclo Otto: 2018-2030

22/05/2018 - Com o presente estudo, a EPE visa contribuir para a identificação das oportunidades e ameaças ao abastecimento nacional dos veículos leves do Ciclo Otto (etanol e gasolina automotiva), assim como para a discussão acerca das alternativas de políticas públicas.

Atualização: EPE cadastra 1090 empreendimentos para o Leilão A-6 de 2018

21/05/2018 - A Portaria MME nº 159/2018, publicada em 15 de maio, aprovou a Sistemática do Leilão A-6 de 2018 e reabriu o prazo para cadastramento de projetos para participação no leilão até as 12h do dia 18 de maio.

EPE participa do evento Technical Meeting on Nuclear Power Cost Estimation and Analysis Methodologies

18/05/2018 - No período de 24 a 26 de abril, Thiago Ivanoski e André Osório participaram do evento Technical Meeting on Nuclear Power Cost Estimation and Analysis Methodologies promovido pela International Atomic Energy Agency (IAEA) em Viena.

Resenha Mensal: consumo de energia elétrica caiu 1,1% em março

27/04/2018 - A variação no 1º trimestre de 2018 foi de +0,4% O consumo de energia elétrica na rede totalizou 39.968 GWh em março, mostrando recuo de 1,1% frente ao consumido em igual mês do ano anterior.

Leilão A-6 de 2018: EPE disponibiliza Informe Técnico sobre Preços de Referência dos Combustíveis para as Usinas Termelétricas

20/04/2018 - A Empresa de Pesquisa Energética - EPE disponibiliza, no link abaixo, o Informe Técnico com as referências de preços de combustíveis para o Leilão de Energia A-6/2018. O Informe Técnico nº 032/2018 apresenta as informações que subsidiam a determinação do Custo Variável Unitário (CVU), que será utilizado na definição da Garantia Física (GF), dos valores esperados do Custo Variável da Operação (COP) e do Custo Econômico de Curto Prazo (CEC) dos projetos termelétricos, com vistas à participação no referido certame. O Informe Técnico também apresenta a metodologia que será utilizada na determinação da parcela da Receita Fixa (RF) inicial vinculada ao custo do combustível na geração de energia inflexível.