Seminário propõe debate sobre exploração de recursos de baixa permeabilidade

Muito tem sido discutido sobre a importância da reativação do ambiente onshore no Brasil, especialmente com o lançamento do programa REATE. Essa discussão abre a porta para um mercado quase totalmente novo: a exploração de recursos de baixa permeabilidade e reacende a necessidade de se discutir, de forma isenta e transparente, sua exploração no Brasil. O shale gas, por exemplo, ascendeu os EUA à posição de exportador de hidrocarbonetos, reduzindo sua vulnerabilidade externa, incrementando a produção por pequenos produtores e deslocando toda geopolítica mundial do petróleo em um curto espaço de tempo.

Com o objetivo de estudar o setor energético brasileiro e a importância da reativação do ambiente onshore, a FGV Energia, em parceria com o Ministério de Minas e Energia (MME), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), realizaram hoje o seminário “Discussões sobre a exploração de recursos de baixa permeabilidade no Brasil: projeto poço transparente”. A proposta deste evento visa a desmistificação da exploração de recursos de baixa permeabilidade por fraturamento hidráulico.

Adicional às discussões técnicas propostas pela FGV Energia, foram convidados representantes da UnB, Ministério do Meio Ambiente, Ministério Público, Confederação Nacional da Indústria, além de membros da EPE, da ANP e do MME. O evento conta com experts internacionais em projetos piloto com sistemas de monitoramento de risco como Marcellus Shale Energy and Environment Laboratory (MSEEL), assim como empresas de operação onshore e órgãos governamentais estaduais.

Logo após a abertura, esta manhã,  o Diretor de Petróleo, Gás e Biocombustíveis da EPE, José Mauro Ferreira Coelho, realizou sua apresentação: "RECURSOS EM RESERVATÓRIOS DE  BAIXA PERMEABILIDADE NO BRASIL", na foto falando sobre o REATE. Para acessar e baixar a apresentação completa, clique aqui. O evento iniciou às 9h, no auditório da FGV/RJ, e acontecerá ao longo do  dia de hoje com previsão de término às 18h.

JOSE_MAURO_COELHO_EPE.jpg

Texto: FGV ENERGIA       Foto: ASCOM





Notícias Relacionadas

EPE Participa do I Workshop de Modelagem do Recurso Eólico

15/06/2018 - O CTGAS-ER está realizando, ontem e hoje, o I Workshop de Modelagem do Recurso Eólico. O evento, sediado em Natal (RN), tem como objetivo principal discutir e avaliar a inserção de novos modelos numéricos (dinâmico, estatísticos e/ou estocásticos) para simular a atmosfera, bem como, discutir o desenvolvimento de novas metodologias que visem uma melhoria na acurácia da previsão de velocidade do vento, para fins de um planejamento adequado na estimativa da geração de energia eólica.

EPE lança Informe Técnico - Terminais de Regaseificação de GNL nos Portos Brasileiros

15/06/2018 - O lançamento do Informe Técnico EPE: Terminais de Regaseificação de GNL nos Portos Brasileiros - Panorama dos Principais Projetos e Estudos, acontece nesta sexta, dia 15 de junho, na sede do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP).

Fórum Sul Brasileiro de Biogás e Biometano se inicia nesta quarta-feira, 6 de junho

06/06/2018 - Principal evento de Biogás e Biometano no Sul do Brasil acontece no período de 6 a 8 de junho. O Fórum Sul Brasileiro apresenta debates e mesas-redondas para discussões sobre o tema e o lançamento de projeto inédito do biogás na agroindústria brasileira

Análise de Conjuntura dos Biocombustíveis 2017: Lei que cria a Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio) é sancionada

05/06/2018 - Em 2017, mereceu destaque a promulgação da Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), cujo objetivo é reconhecer o papel estratégico dos biocombustíveis na matriz energética brasileira, com relação à segurança do abastecimento e à mitigação das emissões de gases causadores do efeito estufa no setor de combustíveis.

Resenha Mensal: O consumo de energia elétrica cresceu 3,5% em relação ao mesmo mês de 2017.

30/05/2018 - O consumo de energia elétrica na rede totalizou 40.606 GWh em abril, representando acréscimo de 3,5% em relação ao mesmo mês de 2017. Todas as regiões do país assinalaram avanço na demanda de energia elétrica de abril, com exceção do Norte (-1,0%), influenciada pelo consumo industrial.